Centro Primavera

Centro Primavera

As atividades numa Escola Iniciática resultam do seu centro de preocupações…

«É tempo de se ter uma ideia mais correta do que realmente é, ou, em todo o caso, do que deve ser uma Escola Iniciática. Ainda há demasiadas pessoas que pensam que é lá que vão obter a clarividência, os poderes mágicos e toda a espécie de faculdades supranormais que lhes permitirão satisfazer a sua necessidade do maravilhoso, do estranho, ou mesmo, simplesmente, satisfazer os seus desejos e as suas ambições.
Mas não, a verdadeira razão de ser de uma Escola Iniciática, é levar os humanos a fazerem um trabalho incessante para a realização do Reino de Deus na terra, isto é, a fraternidade entre os humanos. Quem está decidido a empreender este trabalho não precisa de ser um mago, um clarividente, ou possuir poderes excepcionais; precisa apenas de se tornar  mais puro, mais sábio,  mais generoso, mais senhor de si.»

in, PQ, 6 abril de 2010

Assim,  a forma de estar, na Escola da FBU, passa pela seguinte ideia…

“Vós não encontrareis aqui graus de iniciação. Nós não estabelecemos classificações na nossa Escola. Seria perfeitamente inútil. Somos, simplesmente, seres que se tornaram filhos de Deus, que vivem fraternalmente, desempenhando todas as tarefas, segundo as necessidades do momento. Só Deus sabe o nosso grau de evolução. Estamos todos juntos, misturados, para trabalhar harmoniosamente. É a luz que indica possibilidades e capacidades. Não procureis outra coisa. Trabalhai fraternalmente, harmoniosamente, livres do problema da posição, da classificação, da ideia de superioridade que tudo bloqueia. Sede crianças de uma grande família, aplicados em tornar-vos naquilo que o Pai espera de vós. Realizar sobre a terra o Reino de Deus, com toda a alegria e todo o amor.

In, Comment se guérir des maladies, conf. 27 avril 1946

Encontros…

  • CARTAXO – CENTRO PRIMAVERA

a) Sábado/ Domingo…

b) Congressos: Natal/ Ano Novo;  Páscoa/Equinócio de Primavera; São João; Congresso de Verão; São Miguel. 

Festas cardinais...

Não foi uma coisa que apeteceu a certos seres religiosos, criar as quatro festas cardinais, as mais importantes do ano: Natal, o nascimento do Cristo; Páscoa, a ressurreição; a festa de São João, durante o verão; e a festa de São Miguel, no outono. Elas não existem por acaso, já o sabeis. São fenómenos cósmicos, que têm tudo a ver com a astrologia e também com a Cabala, pois o Sol, no seu percurso, passa por quatro pontos cardeais. Isto faz com que se desencadeiem e se derramem forças e energias para toda a humanidade, para toda a natureza; não é somente para os humanos, mas também para as plantas, a vegetação, e para os animais, para toda a terra e até para os outros planetas… e para os humanos.

Foi justamente porque existiam estes fenómenos, que os Iniciados, que os constataram pelos seus meios riquíssimos, os seus meios ocultos… Eles verificaram-nos diretamente e então viram que, se o homem estivesse atento, recetivo, preparado para receber esses eflúvios, essas correntes, existiria uma grande evolução, um grande desenvolvimento, e foi por isso que os Iniciados, desde a antiguidade, nos deram certos conselhos sobre como preparar-se e como receber essas correntes.

In « O sentido cósmico místico e histórico do Natal» de 25 dezembro 1958

 

 

 

 

 

O trabalho do discípulo...

«A matéria deve espiritualizar-se e o espírito materializar-se. A bem-amada percorre a distância que a separa do seu bem-amado, que desce das regiões celestes, eles encontram-se em alguma parte do espaço e aí fundem-se: o espírito desce até as profundezas do ser humano e tudo o que era grosseiro e passional desaparece para deixar lugar à grandeza, à nobreza, à inteligência, à luz, à beleza, ao amor, à pureza, à doçura do espírito. Todo o trabalho do discipulo, meus queridos irmãos e irmãs, está resumido nestas palavras. O que quer que façais, quaisquer que sejam as vossas ocupações, as vossas leituras, as vossas experiências, os vossos exercícios, eles devem levar ao que vos resumo aqui em duas palavras: a espiritualização da matéria e a materialização do espírito, «solve e coagula» como os alquimistas dizem.

Omraam MiKhaël Aïvanhov (in, Le Pappion bulletin d’ìnformation de Vidélinata, nº58)

 

Atividades…

  • Meditação ao Nascer do Sol (Primavera e Verão) – Yoga do Sol;

Trabalhar o livro: «OS ESPLENDORES DE TIPHÉRETH – O Sol na Prática Espiritual»

Surya Yoga...

«Toda a ciência do yoga consiste nisto: como concentrar-se e como olhar as coisas, os seres. Quando meditais perante o Sol, deveis esforçar-vos para, por um lado, captar a nota fundamental e por outro, ter sempre presente, no espírito, que há uma ligação entre o Sol e tudo o que existe. Admirai o Sol, a sua pureza, o seu esplendor, a sua brancura. Concentrai-vos no Sol para que possais eventualmente captar aquilo que nele se passa. Acontece frequentemente que as pessoas estão efetivamente perante o Sol, mas não sentem nada. No entanto, o Sol é uma força incalculável, inimaginável. A brancura do Sol pode tornar-vos brancos como ele. A teoria de Darwin é que a lei da vida é a guerra. Pois bem, o Sol demole essa teoria, que só é verdadeira nos níveis inferiores da Natureza, onde as criaturas se devoram umas às outras e combatem umas contra as outras. O Sol simboliza a lei do sacrifício. Ele manifesta o outro lado da Vida: a lei do amor. O Sol é o amor, e a linguagem do amor é a Vida. O Sol dá incessantemente o seu calor, a sua luz, e a sua força. Dá cor às flores e aos frutos. Ilumina e alegra todas as criaturas. Graças a ele, um dia tornar-nos-emos calorosos, luminosos e vivos como sois.”

In «Surya Yoga», 1 julho de 1954».

  • Exercícios de respiração;
  • Ginástica;

Ginástica...

«Se fizerdes os exercícios de ginástica com atenção e consciência, conseguireis grandes melhorias na vossa saúde e um grande equilíbrio em todos planos do vosso ser. Estes exercícios são movimentos simples e de fácil execução que qualquer pessoa pode fazer. Certamente não desenvolverão, muito, os vossos músculos, mas fortalecerão o vosso sistema nervoso o que vos permitirá entrar em relação com as correntes cósmicas.

In «Obras Completas, Volume 13», pág. 227».

  • Paneuritmia;
  • Coral;

O canto...

«Que poder existe no canto quando é executado em boas condições! Não apenas condições materiais, técnicas, mas também psíquicas, espirituais, nele fazendo participar a sua alma, o seu coração, o seu espírito. Sente-se então que a atmosfera é atravessada por correntes e seres luminosos: é esta harmonia viva que os atrai. Por isso é que cantar em conjunto, em coro, a quatro vozes, é um acto que tem um grande significado.

Em primeiro lugar, é o símbolo daquilo que devemos fazer para nos sintonizarmos, para estabelecermos a harmonia entre nós. Porque essa fusão das vozes acima das nossas cabeças é simultaneamente uma fusão das nossas almas e dos nossos espíritos. A vossa voz está impregnada com o vosso magnetismo, com a vossa vitalidade, com o vosso perfume. Vós estais ligados à vossa voz como se ela fosse um pequeno papagaio de papel, que segurais com longo fio. A vossa voz deixa-vos e passeia-se acima de vós, encontra as outras vozes, com as quais se funde, e volta depois para vós, amplificada, enriquecida com tudo o que ela recebeu nessa fusão.»

“A música e o canto na vida espiritual”  Nr. 306

Um trabalho espiritual...

«A música, o canto, são um alimento que permite fazer um trabalho espiritual. Direis vós: «Ah! Podemos fazer um trabalho quando cantamos?»  Claro, na condição de não considerardes o canto como um passatempo, mas sim como uma atividade que toca todas as regiões do ser.

Na Árvore Sefirótica, a música pertence à séfira Hokmah, onde reinam os Querubins. Os Querubins são pura música, é por isso que eles vivem na harmonia perfeita. Hokmah é a região do Verbo, que tudo criou, e o Verbo mais não é do que a música, os sons harmoniosos que deram forma à matéria. Pois o som modela a matéria e dá-lhe formas. Foi assim que, pelo Verbo, Deus deu forma à matéria informe: «Tohou va bohou», como está escrito em hebraico, no Génesis. Deus falou sobre essa poeira cósmica e as formas apareceram. Sob a acção do Verbo, os Querubins receberam uma vibração divina, e essa vibração comunicou-se a todas as outras criaturas das regiões situadas abaixo da séfira Hokmah, até à terra.

Os Querubins só sabem cantar em conjunto, em  harmonia. Por isso, quando os humanos tentam também cantar em coro, começam a ligar-se a esta ordem angélica dos Querubins, que é a ordem da música e da harmonia celeste. Quando cantais, mesmo sem o saber já estais a ligar-vos aos Querubins e, nesse momento, essa harmonia dos sons trabalha sobre vós próprios, consegue fazer vibrar as partículas do vosso corpo físico até que ele obtenha, um dia, formas de uma harmonia e de uma beleza perfeitas.»

“A música e o canto na vida espiritual”  Nr. 306

 

  • Conferências áudio e vídeo do Mestre Omraam MiKhaël Aïvanhov;
  • Yoga da alimentação;

Trabalhar o livro: «Yoga da alimentação – coleção Izvor» 

Um trabalho alquímico...

«Milhões de anos antes de os físicos terem realizado a fissão do átomo, os humanos realizaram-na todos os dias no seu próprio organismo. E continuam a realizá-la, pois a nutrição é precisamente um processo de desintegração da matéria.

Comer é aprender a desagregar a matéria e a repartir a energia, assim extraída, por todos os órgãos: pulmões, coração, cérebro… Mastigar lentamente e demoradamente os alimentos representa uma primeira etapa desta desintegração. A segunda etapa é o trabalho do pensamento, que, qual raio extremamente penetrante, se introduz até ao coração da matéria, cujas energias mais subtis liberta a fim de dar suporte ao trabalho da alma e do espírito».

Uma ligação ao Criador...

«Os exercícios espirituais, tais como a oração e a meditação, são formas de comunhão. Contudo, nem toda a gente tem o tempo, as condições ou mesmo o gosto e os dons para a prática espiritual. Mas todos têm de comer diariamente. É possível, pois, começar por aprender a comungar durante as refeições, tendo mais consideração pelos alimentos. O que é comungar? Fazer uma troca: vós recebeis uma coisa e dais outra. Se não derdes nada, não será uma verdadeira comunhão. A verdadeira comunhão é uma troca divina. Se, em troca daquilo que os alimentos vos dão, lhes derdes a vossa atenção, o vosso amor, eles transformar-se-ão em vós não só em energias físicas, mas também em energias psíquicas e espirituais, pois estabelecereis uma relação com a própria Natureza, que é o corpo de Deus. Se, quando ides começar a comer, tomardes consciência de que Deus pôs a sua vida nos alimentos, as células do vosso corpo receberão, por vosso intermédio, a verdadeira comunhão, isto é, um elemento espiritual que as ajudará no seu trabalho para o bem de todo o vosso organismo.»

PQ de 8/10/2019.

  • Exercícios de Meditação (Com música e no silêncio);

Utilizar a música...

«Toda a gente ouve música, mas numa Escola lniciática ensina-se a escutá-la para pôr em movimento os seus centros espirituais, para projetar-se no espaço, elevar-se, enobrecer-se, purificar-se, ou até resolver problemas. Ao ouvir uma obra é necessário, antes do mais, saber o que ela representa, se é uma força boa ou má, e a que é que pode ser comparada: é semelhante ao vento, ao trovão, é como uma torrente, uma cascata que se precipita da montanha, ou como a eletricidade, como o calor?… Seja qual for a força emitida, há que saber utilizá-la. Se for o vento, podeis imaginar que navegais num barco, com todas as velas desfraldadas. Se for a eletricidade, podeis pôr a funcionar aparelhos espirituais, etc … A música é uma força. Cada som, cada vibração, produz movimentos no  espaço e desencadeia forças no homem.

 

Tenho o hábito de vos fazer ouvir música todos os dias, após as refeições, porque quero ensinar-vos a utilizá-la como um instrumento de criação interior, a fim de que, graças a ela, possais empreender um formidável trabalho espiritual: projetar ideias, imagens sublimes, que se realizarão um dia. Sobretudo quando se trata de uma música mística, religiosa, profunda, que vos eleva, que vos transporta… Muitos espiritualistas desdenharam o papel da música para efetuar os seus trabalhos, e fizeram mal. A música pode ser um meio extremamente poderoso para despertar inúmeras células adormecidas, para se enobrecer, se transformar, se aperfeiçoar; não se deve negligenciá-la.»

“A música e o canto na vida espiritual”  Nr. 306

  •          Yoga da Luz;
  • Atividades quotidianas (jardinagem, agricultura, …)

CONTACTO:

  • CENTRO PRIMAVERA – CARTAXO

Email: fbu.portugal@gmail.com

Telefone: (00 351) 243 779 227 (Secretariado Domingo das 15h às 18h)